O Novo Milagre das Rosas - Tirar aos Estagiários Para Dar aos Patrões

A INTERJOVEM/CGTP-IN repudia vivamente o roubo no valor das bolsas dos Estágios Profissionais do IEFP (alterados pela Portaria nº 92/2011, de 28 de Fevereiro), corte que a CGTP-IN denunciou e combateu com propostas que não foram tidas em conta.
As consequências estão à vista:
- Redução do valor das bolsas para a generalidade dos estagiários, entre 13% a 20% em termos brutos, e 11% a 29% em termos líquidos, considerando apenas a segurança social.
- Aumento dos apoios às empresas, a juntar a outros já recebidos.

 

 

Comunicado de Imprensa n.º 015/11

O NOVO MILAGRE DAS ROSAS
TIRAR AOS ESTAGIÁRIOS PARA DAR AOS PATRÕES

 

A INTERJOVEM/CGTP-IN repudia vivamente o roubo no valor das bolsas dos Estágios Profissionais do IEFP (alterados pela Portaria nº 92/2011, de 28 de Fevereiro), corte que a CGTP-IN denunciou e combateu com propostas que não foram tidas em conta.

As consequências estão à vista:

  • Redução do valor das bolsas para a generalidade dos estagiários, entre 13% a 20% em termos brutos, e 11% a 29% em termos líquidos, considerando apenas a segurança social.
  • Aumento dos apoios às empresas, a juntar a outros já recebidos.

Esta é também uma forma de pressionar a descida de salários dos trabalhadores indo ao encontro das reivindicações dos patrões.

Tal como a CGTP-IN e a INTERJOVEM reivindicaram, os estagiários passam a ter direito à Segurança Social.

No entanto, a portaria dispõe que, na prática, seja o estagiário, através da descida do valor da bolsa, a pagar a totalidade ou parte substancial (dependendo do nível de qualificação) das contribuições para a segurança social que lhe cabem tanto a si como à entidade acolhedora.

Na prática e apesar de passar a efectuar descontos para a segurança social, o estagiário não terá acesso ao subsídio de desemprego, uma vez que a duração do estágio é de 9 meses (cerca de 273 dias) e o período de garantia para aceder à prestação é actualmente de 450 dias.

No que respeita ao subsídio social de desemprego será difícil, já que as novas regras para a determinação da condição de recursos têm tido como consequência (e foi esse o objectivo do governo) uma quebra do número de beneficiários. Entre Novembro de 2009 e o mesmo mês de 2010, o número de beneficiários do subsídio social de desemprego inicial desceu 40%.

Os estagiários passam também a ser tributados fiscalmente.

Em síntese, com esta medida do Governo PS/Sócrates, de uma assentada, os patrões passam a pagar menos, o Governo a gastar menos e os estagiários a receber ainda menos.

Aqui está mais uma forma “engenhosa” de dar dinheiro a uns, retirando aos outros.

É necessário, é possível, é urgente uma política diferente.

A INTERJOVEM/CGTP-IN exige:

  • A reposição do valor da retribuição mínima mensal garantida como base do cálculo da bolsa e a não descida do valor das bolsas;
  • A inclusão de regras que obriguem a entidade promotora a integrar nos seus efectivos a maioria dos estagiários e que garantam a manutenção do nível de emprego existente à data da admissão do estagiário;
  • A inclusão de regras que impeçam a rotatividade de estagiários numa mesma empresa para ocupar um mesmo posto de trabalho, assim como a realização de estágios destinados a preencher postos de trabalho que correspondam a necessidades permanentes das empresas;
  • Uma intervenção activa dos centros de emprego, nomeadamente prestando apoio técnico-pedagógico aos orientadores e acompanhando os estagiários, antes, durante e após o estágio.

DIF/CGTP-IN
Lisboa, 02.03.2011

 

Interjovem

Inter-reformados

CIMH